EFESão Paulo

Pelo menos oito capitais regionais do Brasil, entre elas Salvador e Belo Horizonte, cancelaram os festejos de fim de ano por receio de um aumento da pandemia de coronavírus, especialmente depois da recém descoberta da variante Ómicron.

Brasil, um dos países mais castigados pela covid-19, vive atualmente um momento de certa estabilidade relativamente a contágios e mortes, que se encontram nos seus níveis mais baixos desde praticamente o início da crise sanitária, em fevereiro de 2020.

Com essa tendência decrescente, atribuída ao avanço da vacinação, as autoridades regionais e locais brasileiras tinham previsto organizar concertos e atos comemorativos para o fim de ano, mas o aumento dos contágios na Europa e a descoberta da variante Ómicron, detetada pela primeira vez na África do Sul, fizeram soar os alarmes em vários pontos do país.

Neste contexto, as primeiras capitais regionais do país a cancelar as festas foram Salvador, Belo Horizonte, Fortaleza, Florianópolis, João Pessoa, São Luís, Campo Grande e Palmas. Oito de um total de 27.

"Perante a chegada de uma nova variante e do aumento de casos na Europa, tomo a decisão de cancelar a festa de fim de ano em Salvador. Sou consciente da importância do evento para a economia da nossa cidade, mas continuamos a pôr a vida das pessoas em primeiro lugar", afirmou o autarca de Salvador, Bruno Reis, nas redes sociais.

No caso de Florianópolis, capital do estado de Santa Catarina (sul), o fogo de artifício será mantido, mas não haverá atuações musicais de forma a evitar aglomerações.

De momento, São Paulo, a cidade mais populosa do país, e Rio de Janeiro, a mais turística e onde tradicionalmente se reúnem milhões de pessoas nas suas icónicas praias a 31 de dezembro, seguem em frente com os seus festejos, apesar de cada vez mais vozes do mundo da medicina recomendarem a sua suspensão.

Brasil, que acumula mais de 22 milhões de positivos e perto de 615.000 mortes ligadas à covid-19, ainda não registou nenhum caso da variante Ómicron, embora investigue um possível infectado com essa estirpe no estado de São Paulo e outro em Minas Gerais, cuja capital é Belo Horizonte.

O receio de uma nova vaga pandémica também levou a dezenas de municípios brasileiros a cancelar os eventos relacionados com o Carnaval de 2022, previsto para finais de fevereiro e princípios de março.