EFEWashington

As empresas farmacêuticas Pfizer e BioNTech anunciaram esta terça-feira o começo de um ensaio clínico de uma vacina modificada contra a covid-19 que poderá proteger contra a variante Ómicron do coronavírus.

O comunicado das companhias indica que os resultados iniciais do estudo, que vai incluir 1.420 voluntários com idades entre os 18 e os 55 anos, deverão estar disponíveis na primeira metade deste ano.

"Continuamos com um diálogo aberto com as autoridades sanitárias a respeito de uma vacina atualizada e sobre dados contínuos da vacina disponível atualmente, incluído o que as autoridades requerem", assinalou a Pfizer numa mensagem.

Até ao momento não foi determinado de forma clara qual a informação requisitada por autoridades como a Direção de Alimentos e Medicamentos (FDA) para aprovar uma vacina específica contra a variante Ómicron.

Segundo o relatório das empresas, os voluntários serão separados em três grupos: pessoas com vacinação completa, pessoas com a completa mais a dose de reforço, e pessoas que não estão vacinadas, o qual irá determinar se será necessário uma, duas ou três doses desta vacina modificada.

Os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA informaram na última sexta-feira sobre os resultados de investigações mais recentes, que mostram que uma dose de reforço das vacinas já existentes dá uma proteção contra a doença mais grave da Ómicron.