EFELondres

Os detetives que investigam o desaparecimento da menina britânica Madeleine McCann em Portugal em 2007 vão receber mais fundos para prosseguir a busca da menor, confirmou hoje em Londres o Ministério do Interior.

A pequena desapareceu do quarto no qual dormia com os seus dois irmãos num complexo turístico do Algarve, sul de Portugal, em maio de 2007, quando tinha três anos de idade.

O ministério indicou que a Polícia Metropolitana de Londres (Met) solicitou mais dinheiro para financiar a busca de Madeleine, catalogada como "Operação Grange", e que o pedido foi concedido.

"O Governo está comprometido com a investigação sobre o desaparecimento de Madeleine McCann", apontou um porta-voz do Interior.

Segundo a imprensa local, as forças da ordem irão receber 150.000 libras (170.850 euros) para prosseguir com as investigações.

Um porta-voz da família McCann apontou hoje que os pais de Madeleine, Kate e Gerry, estão "incrivelmente agradecidos" pela concessão de dinheiro para continuar à procura da sua filha.

Os pais, acrescentou o porta-voz, "estão animados porque a Met ainda acredita que há trabalho por fazer e estão incrivelmente agradecidos ao ministério do Interior por facilitar um orçamento adicional".

Estima-se que a investigação custou até agora cerca de onze milhões de libras (12,5 milhões de euros).

Os detetives tinham indicado no ano passado que seguiam uma linha de investigação muito importante.