EFEAtenas

A polícia da Grécia começou esta quinta-feira uma extensa operação para transferir os milhares de refugiados que dormem há dias nas redondezas do devastado campo de Moria, na ilha de Lesbos, para um novo campo que ainda está em construção.

Nas duas primeiras horas de operação foram transferidas 450 pessoas para as novas instalações em Kara Tepe, 250 das quais já entraram no campo, segundo confirmou a assessoria de imprensa da polícia local à Efe.

Por volta das 8h (hora local), centenas de polícias bloquearam a estrada onde um acampamento improvisado foi montado após o incêndio que devastou Moria. Os agentes acordaram os migrantes, distribuíram folhetos e transferiram-nos para o novo acampamento onde, antes de entrarem, foram submetidos a um teste rápido de COVID-19.

O porta-voz da polícia local garantiu que a operação decorre sem qualquer incidente, algo confirmado por representantes dos Médicos do Mundo e Médicos Sem Fronteiras (MSF) presentes na região.

Além disso, afirmou que a operação continuará até que as cerca de 13 mil pessoas desalojadas e espalhadas na margem da estrada que liga Moria a Mitilene e os estacionamentos de alguns supermercados entrem em Kara Tepe.

A polícia transferiu na noite de quarta-feira dezenas de agentes femininas para Lesbos com o intuito de facilitar a tarefa de convencer mulheres e crianças da necessidade e benefícios de se mudarem para o campo.

Até ontem, apenas 1,8 mil pessoas tinham concordado em se instalar no novo campo, onde a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) instalou 600 tendas. As instalações têm no momento capacidade para cerca de 3,6 mil pessoas.