EFEPraga

A primeira-dama dos Estados Unidos, Jill Biden, chegou de surpresa este domingo à Ucrânia, onde se encontrou com a primeira-dama do país, Olena Zelenska.

"Queria vir no Dia da Mãe. Pensei que era importante mostrar ao povo ucraniano que essa guerra tem que terminar e que tem sido brutal. E também que o povo dos Estados Unidos está com as pessoas da Ucrânia", afirmou Biden.

As duas primeiras-damas visitaram uma escola em Uzhhorod, cidade de 100 mil habitantes que fica a poucos quilómetros da fronteira da Ucrânia com a Eslováquia.

Biden entregou um bouquet de flores a Zelesnka depois de um longo abraço entre as duas. De seguida, reuniram-se à porta fechada na própria escola, que está a ser utilizada como refúgio temporário para famílias que tentam escapar da guerra.

A população de Uzhhorod triplicou desde o início da guerra na Ucrânia, a 24 de fevereiro, devido à chegada de deslocados internos que deixaram as casas por causa do conflito.

Zelenska, esposa do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, não era vista em público desde o início da invasão russa por motivos de segurança.

Em conferência de imprensa, a primeira-dama ucraniana agradeceu Biden pela "corajosa" visita ao país.

"Entendemos o valor necessário para que a primeira-dama dos Estados Unidos venha aqui durante uma guerra, com operações bélicas todos os dias, com sirenes antiaéreas sendo escutadas todos os dias, inclusivamente hoje", afirmou Zelesnka.

A ida de Biden à fronteira entre Ucrânia e Eslováquia aconteceria apenas em junho, mas autoridades dos dois países deram sinal verde à visita, ao terem considerado a situação como segura.

Antes de encontrar com Zelesnka no território ucraniano, a primeira-dama americana reuniu-se com famílias de refugiados num centro de apoio localizado em Kosice, no leste da Eslováquia.