EFEDublin

O primeiro-ministro interino da Irlanda, Leo Varadkar, reativou a licença de médico para trabalhar num hospital de Dublin, capital do país, face à escassez de profissionais que atuam no atendimento aos pacientes com COVID-19, a doença provocada pelo novo coronavírus.

O integrante do partido Fine Gael, filho de um imigrante indiano e primeiro chefe de Governo irlandês declaradamente homossexual, praticou medicina durante sete anos, mas deu baixa na Ordem dos Médicos em 2013, um ano antes de assumir o cargo de ministro da Saúde.

Segundo publicou o jornal "The Irish Times", Varadkar, de 41 anos, pediu a renovação da licença profissional no mês passado, quando a pandemia da COVID-19 começou a avançar no país.

O sistema nacional de saúde (HSE) tem vindo a fazer campanha para que médicos e outros agentes que estavam afastados das funções voltassem a atuar, conseguindo a adesão de cerca de 50.000 profissionais.

De acordo com o "The Irish Times", Varadkar vai em princípio trabalhar no sistema de avaliação telefónica, em que é possível realizar um primeiro exame em pessoas que afirmam terem estado em contato com infetados pelo novo coronavírus.

O primeiro-ministro interino, que ainda tenta formar governo, é de uma família ligada à área de saúde, sendo filho de médico e enfermeira. As duas irmãs de Varadkar, assim como o seu marido, Matthew Barrett, também atuam no setor.