EFEKiev

O primeiro-ministro da Ucrânia, Alexei Goncharuk, apresentou esta sexta-feira a sua demissão ao presidente Vladimir Zelenski após a publicação de um áudio em que várias vozes, uma das quais supostamente sua, criticam a administração do mandatário.

Goncharuk, de 35 anos, partilhou uma carta aberta na sua página no Facebook na qual se dissociou desses eventos, elogiou a gestão do presidente ucraniano e afirmou que já tinha entregue o pedido de demissão.

"Vim para o cargo com o objetivo de executar o programa do presidente. Ele é para mim um exemplo de transparência e honestidade. No entanto, para eliminar qualquer dúvida sobre o nosso respeito e confiança no presidente, escrevi uma solicitação de demissão e apresentei ao presidente com direito de trazê-lo ao Parlamento", afirmou.

O primeiro-ministro, que estava no cargo desde agosto do ano passado, disse que o áudio comprometedor foi "manipulado" e procura "artificialmente" criar a ideia de que a sua equipa não respeita o presidente, a quem descreveu como "um homem em quem os ucranianos depositam confiança sem precedentes".

Goncharuk afirmou que Zelenski "tem todo o direito de avaliar a eficácia de cada membro da sua equipe, responsável por promover as mudanças que o país precisa".

Nas gravações, divulgadas esta semana no YouTube, vozes semelhantes às do primeiro-ministro, da diretora-adjunta do Banco Nacional da Ucrânia, Ekaterina Rozhkova, e da Ministra das Finanças, Oksana Markarova, que podem ser ouvidos a discutir política económica e a questionar as capacidades do presidente.

A voz que se assemelha à de Goncharuk afirma num determinado momento que o chefe de Estado ucraniano é um "total profano em economia".

Após as gravações terem sido tornadas públicas, vários deputados exigiram a demissão de Goncharuk, que se defendeu dissociando-se do áudio e afirmando que iria continuar com o seu trabalho.