EFEParis

O primeiro-ministro francês Édouard Philippe apresentou esta sexta-feira a sua demissão ao presidente Emmanuel Macron, que a aceitou, abrindo a porta a uma remodelação do Governo.

Philippe e a equipa atual continuarão a gerir os assuntos correntes até à nomeação de um novo Executivo, disse o Palácio do Eliseu em comunicado.

A demissão do primeiro-ministro -a fórmula normalmente utilizada em França quando o presidente quer um novo Governo- não significa necessariamente que Philippe não possa receber a missão de continuar a liderar o Executivo, embora os meios de comunicação franceses indiquem que não continuará.

A remodelação do Governo foi tomada como certa após a segunda volta das eleições municipais no domingo passado, mas a chegada da nova equipa pode ainda demorar vários dias.

Philippe foi eleito presidente da câmara da sua cidade, Havre, nestas eleições, cargo que deverá assumir este sábado.

Macron, que admitiu que iria mudar o seu governo numa entrevista publicada esta manhã na imprensa regional, manteve-se em segredo sobre o destino de Philippe.

O presidente declarou em muitas ocasiões que deseja fazer uma reviravolta mais social e ambiental na sua política durante os dois anos que lhe faltam no poder antes das eleições presidenciais marcadas para a primavera de 2022.

O agora primeiro-ministro em exercício pode dar um passo atrás e dedicar-se à autarquia de Havre, cargo que ocupava quando Macron o elegeu para liderar o seu Executivo após a sua vitória nas eleições presidenciais de 2017.