EFECopenhaga

A Procuradoria sueca anunciou esta terça-feira o encerramento da investigação preliminar por violação contra o fundador do site Wikileaks, Julian Assange, devido a uma fraqueza das provas e à falta de base para uma acusação.

"A denunciante apresentou um relato credível e fiável, as suas explicações são claras, longas e detalhadas. Mas considero que as provas perderam força de tal forma que já não há motivo para continuar com a investigação", disse em conferência de imprensa a procuradora superior Eva-Marie Persson.

Continuar a investigação e interrogar Assange não representaria uma mudança "decisiva" na situação probatória, que não é suficiente para uma acusação, realçou a procuradora.

Persson tinha ordenado em maio a reabertura do caso, iniciado em 2010 e fechado em 2017, após Assange, que espera agora que o Reino Unido decida sobre a sua extradição aos Estados Unidos, ter sido preso pela força na embaixada do Equador em Londres depois de Quito lhe ter retirado o asilo diplomático concedido em 2012.