EFEMoscovo

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, felicitou esta segunda-feira os seus militares e as milícias da autoproclamada República Popular de Lugansk pela "libertação" dessa região oriental ucraniana, que Moscovo reconhece como Estado independente, e disse que espera o mesmo sucesso nas outras frentes.

"Peço-lhe que apresente para a sua condecoração todos os militares que se distinguiram nestas ações de combate", disse Putin numa reunião com o ministro da Defesa, Sergey Shoigu, difundida pela televisão estatal russa.

O chefe do Kremlin indicou que "as unidades que participaram ativamente nas ações de combates e que conseguiram sucessos, a vitória, na direção de Lugansk devem sem dúvida descansar e aumentar as suas capacidades combativas".

"Mas as outras unidades, incluídos os agrupamentos Este e Oeste, devem cumprir as suas tarefas segundo os planos estabelecidos, segundo o plano único, e confio que nas outras direções irá acontecer o mesmo que tem acontecido até agora na de Lugansk", sublinhou.

Putin indicou que hoje recebeu propostas para "desenvolver as operações ofensivas" dos comandantes dos agrupamentos Centro e Sul, os generais Alexandr Lapin e Sergey Surovkin, que -anunciou- serão distinguidos com o título de Herói de Rússia.

Shoigu informou Putin que as Forças Armadas da Ucrânia, durante a ofensiva que permitiu tomar o controlo das cidades de Severodonetsk e Lisichansk e outras 22 localidades, sofreram 5.469 baixas, 2.221 delas mortais, e perderam 196 tanques e outros blindados, 12 aviões, um helicóptero, 69 drones e outro armamento diverso.

"Nestes momentos está-se a efetuar a retirada das minas Lisichansk, fornece-se ajuda humanitária e assistência médica à população civil", disse o ministro.