EFEKiev

O presidente russo, Vladimir Putin, poderá ter ordenado às suas tropas na Ucrânia para fazerem "uma pausa" depois do controlo da estratégica região de Lugansk de forma a se reorganizarem, segundo um documento do grupo de especialistas do americano Instituto da Guerra (ISW, siglas em inglês).

Os especialistas relatam no seu último relatório que "Putin celebrou a tomada russa de Lisichansk e a fronteira da região de Lugansk e pareceu ordenar ao exército russo que realizasse uma pausa operativa".

O presidente russo "reuniu-se com o ministro da Defesa, Sergey Shoigu, a 4 de julho para discutir os recentes avanços russos na região de Lugansk e entregou ao coronel-general Alexander Lapin e ao major-general Esedulla Abachev o prémio 'Herói de Rússia' pela sua liderança durante a operação Lisichansk", assinalou o ISW.

Putin e Shoigu apresentaram publicamente a captura de Lisichansk e do resto da região de Lugansk como uma "grande vitória para as forças russas na Ucrânia" e também "afirmou que as unidades russas que participaram nessa batalha devem descansar para aumentar as suas capacidades de combate", afirma o relatório.

Esse "comentário público de Putin provavelmente pretendia destacar a sua preocupação pelo bem-estar das suas tropas, tendo em conta as queixas periódicas que se propagam na Rússia sobre o tratamento dos soldados russos".

O grupo de especialistas considera ainda que "é muito provável que as tropas russas que lutaram em Severodonetsk e Lisichansk precisem de um período significativo para descansar e se recondicionar antes de retomar as operações ofensivas a grande escala".

No entanto, não está claro se o exército russo aceitará os riscos de uma pausa operativa suficientemente longa para permitir que estas forças provavelmente exaustas recuperem a sua força, conclui o grupo de peritos americanos.