EFEHaia

Pelo menos 21 pessoas foram detidas na última noite em diferentes cidades dos Países Baixos por provocar distúrbios, atacar a polícia e destroçar mobiliário público ao longo do quarto dia de violência e vandalismo.

Vários municípios do país declararam ontem à noite ordens de emergência municipais, destacando membros da polícia e fechando zonas das cidades com maior risco de distúrbios, prevendo esta possibilidade tendo em conta os apelos detetados nas redes sociais.

A polícia da província de Overijssel anunciou hoje a detenção de 13 pessoas em Zwolle por "diversos delitos", incluída a posse de petardos, depois de um destacamento policial destinado a proporcionar "vigilância adicional" no centro da cidade e arredores durante a noite.

O município anunciou na noite de ontem uma ordem de emergência "devido a possíveis distúrbios", o que também permitiu à polícia fazer buscas em pessoas que se encontravam na zona abrangida por essa ordem.

Segundo o meio local RTV Oost, cerca de quarenta pessoas conseguiram-se reunir no centro de Zwolle para uma manifestação, mas foram expulsas pela polícia.

Outras oito pessoas foram detidas em Roosendaal, na província de Brabante, por incendiar uma paragem de autocarro e um parque infantil, segundo o município.

Em Apeldoorn, dezenas de jovens reuniram-se com o objetivo de provocar distúrbios e destruíram uma rotunda, sinais de trânsito e uma paragem de autocarro, incendiaram vários arbustos e atiraram pirotecnia aos agentes, mas não está ainda claro se foram feitas detenções.

Na passada sexta-feira, um protesto não autorizado em Roterdão contra as restrições e os planos de introduzir o sistema 2G (que exclui as pessoas não vacinadas do certificado digital mesmo que dêem negativo num teste) originou distúrbios e confrontos entre manifestantes e a polícia, que chegou inclusivamente a fazer disparos de advertência.

Quatro pessoas acabaram essa noite com ferimentos de bala, mas a polícia sublinha que ainda se está a investigar se essas feridas foram por disparos dos seus agentes.

Desde então, grupos em cidades de todo o país têm estado a imitar a violência registada em Roterdão, e a cada noite reúnem-se em diferentes municípios com a intenção de provocar vandalismo e atacar a polícia.