EFETeerão

O presidente do Irão, Hassan Rohani, agradeceu à primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, e ao presidente de França, pelo seu apoio ao acordo nuclear de 2015, após a saída unilateral dos Estados Unidos, e pediu mais medidas práticas para o salvar.

Em comunicado divulgado hoje pela Presidência do Irão, Rohani insistiu que é preciso manter a cooperação e as consultas para "chegar a um marco prático que permita aplicar plenamente o acordo nuclear, especialmente nos setores económicos".

"Felizmente, as duas partes estão decididas a manter este acordo internacional e tomaram posições políticas firmes neste sentido", acrescentou o presidente iraniano numa reunião paralela à Assembleia Geral da ONU com May.

A primeira-ministra britânica afirmou que para Londres é importante a manutenção do acordo nuclear e a ampliação dos laços com o Irão em diferentes setores económicos e energéticos.

Já no encontro com Macron, Rohani lembrou que a saída unilateral dos EUA do acordo é "uma medida ilegal contrária às normas internacionais".

O presidente francês ressaltou a necessidade de preservar o pacto nuclear e os esforços de Paris nessa questão, segundo a nota da Presidência do Irão.

Rohani e Macron também destacaram o desenvolvimento das relações e a cooperação bilateral para aumentar as trocas comerciais, financeiras e energéticas.

Ambos apostaram no multilateralismo, e consideraram importante uma maior cooperação e diálogo para resolver os conflitos do Médio Oriente e lutar contra o terrorismo.

O acordo nuclear foi selado em 2015 entre Teerão e o chamado Grupo 5+1 (EUA, Rússia, China, França e o Reino Unido mais Alemanha) para limitar o programa atómico iraniano em troca da retirada das sanções internacionais contra o Irão.

No entanto, o presidente dos EUA, Donald Trump, decidiu em maio deixar o pacto e voltar a impor sanções, que afetam empresas de outros países que fazem negócios com o Irão.

Para resistir ao efeito destas sanções e salvar o acordo, a União Europeia (UE) anunciou há dois dias que vai criar uma entidade especial -um canal de pagamentos- para facilitar as transações com o Irão e permitir que as empresas europeias continuem o seu comércio com esse país.