EFEAncara

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergey Lavrov, condicionou esta quarta-feira uma possível reunião entre os presidentes da Rússia e da Ucrânia, Vladimir Putin e Volodymyr Zelensky, à continuação das negociações entre os dois países.

"Relativamente ao encontro entre o senhor Zelensky e o presidente da Rússia, explicámos em várias ocasiões: Zelensky quer-se reunir só por reunir (…) Vemos estas exigências diariamente e assumimos que, antes do mais, é necessário retomar as negociações", disse Lavrov numa conferência de imprensa conjunta com o seu homólogo turco, Mevlüt Çavusoglu, em Ancara.

O chefe da diplomacia russa questionou que o presidente ucraniano tenha condicionado as negociações a que a Rússia retire as suas tropas para posições anteriores a 24 de fevereiro, quando as hostilidades começaram.

"Esta é uma abordagem absolutamente carente de seriedade, que também contradiz as iniciativas apresentadas pela própria delegação ucraniana a 29 de março aqui mesmo, em Istambul", disse Lavrov.

"A bola está no campo da Ucrânia há quase dois meses, desde meados de abril, quando eles próprios mudaram a sua própria abordagem, exposta em Istambul", acrescentou.

Por sua parte, o ministro turco dos Negócios Estrangeiros observou que "em comparação com as semanas anteriores, podemos dizer que observamos uma atmosfera mais positiva".

"Se ambos os lados estiverem prontos a confiar um no outro, estamos prontos a lidar construtivamente com esta questão, como fizemos em Antalya" durante as negociações entre a Rússia e a Ucrânia, salientou.

Segundo o ministro turco, Ancara "está pronta a fazer todos os esforços possíveis e máximos para iniciar o processo de negociação".