EFESão Paulo

A Câmara de São Paulo, a cidade mais populosa do Brasil, cancelou esta quinta-feira o Carnaval de rua deste ano devido ao aumento de casos de covid-19 provocados pela variante Ómicron, em linha com o Rio de Janeiro e outras capitais regionais, que também suspenderam este tipo de desfile.

"Devido à situação epidemiológica, cancela-se o Carnaval de rua de São Paulo", anunciou o autarca da capital paulista, Ricardo Nunes, depois de uma reunião com as autoridades de Saúde da região.

Com essa decisão, os 12 milhões de habitantes de São Paulo não poderão assistir às grandes e ruidosas marchas que desfilam pelas ruas da megalópolis durante o período carnavalesco pelo segundo ano consecutivo.

Contudo, a 'prefeitura' copiou a mesma estratégia do Rio de Janeiro e manteve os desfiles das escolas de samba no sambódromo de Anhembi, programados para a última semana de fevereiro, caso a associação responsável aceite protocolos sanitários mais rígidos.

"Vamos sentar-nos com a Liga das Escolas de Samba para acordar um protocolo para os desfiles no sambódromo. Se aceitarem, os desfiles vão-se manter", advertiu Nunes.

Além de São Paulo e Rio de Janeiro, meca do Carnaval brasileiro, uma dezena de capitais regionais do país, entre elas Salvador, cancelaram os chamados 'blocos de rua', que costumam reunir milhões de pessoas, para o carnaval de 2022.

O Brasil é, juntamente com os Estados Unidos e a Índia, um dos países mais castigados pela pandemia de coronavírus, com 22,3 milhões de infetados e perto 620.000 falecidos.