EFETaipé

O Parlamento de Taiwan aprovou esta sexta-feira a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo, tornando o país o primeiro no continente asiático a reconhecer essa forma de união.

Os deputados debateram três propostas diferentes, duas que se referiam em geral a uniões de casais do mesmo sexo e outra apresentada pelo governo que legalizava o casamento gay, que foi aprovada por uma maioria confortável.

O Parlamento do país tinha um prazo de até dia 24 para regularizar a situação dos casais do mesmo sexo, depois de em 2017, numa decisão histórica, o Tribunal Constitucional da ilha considerou que a proibição do casamento homossexual era inconstitucional.

A proposta do governo, apoiada pela maioria do Partido Democrático Progressista, foi aprovada por 66 votos a favor e 27 contra.

Além disso, tratava-se do único projeto que oferecia direitos de adoção limitada aos casais homossexuais e era a única das três propostas no debate aceitas pelos ativistas do movimento LGBT.

Mais de 35 mil pessoas marcharam hoje pelas ruas de Taipé até ao Parlamento, pedindo aos legisladores que não discriminem pessoas do mesmo sexo que desejassem casar-se e que votassem a favor da união civil igualitária.

"Esperamos que esta seja a última vez que tenhamos de vir aqui", disse a coordenadora-chefe da coligação taiwanesa para a igualdade no casamento, Jennifer Lu, numa conferência de imprensa improvisada à entrada do Parlamento, antes do início do plenário.

A presidente do país, Tsai Ing-wen, também se pronunciou a favor da lei e pediu aos deputados para "mostrar ao mundo que o amor vence".

"Temos a oportunidade de fazer história e mostrar ao mundo que valores progressistas podem criar raízes nas sociedades da Ásia Oriental", afirmou Tsai.

Já Tseng Hsien-ying, presidente da chamada "coligação de felicidade para a próxima geração", afirmou que Taiwan votou em novembro do ano passado um referendo a favor da manutenção do chamado casamento tradicional no Código Penal e considerou que o governo está a "atropelar a vontade do povo".