EFEMoscovo

As autoridades russas baixaram para oito o número de mortos no tiroteio desta terça-feira numa escola da cidade de Kazan, no sudoeste do país, entre os quais sete crianças, tragédia na qual ficaram feridas cerca de vinte pessoas.

O serviço de imprensa do presidente da república russa de Tatarstan, Rustam Minnikhanov, noticiou que no ataque contra a escola 175, feito, segundo as autoridades, por um antigo aluno de 19 anos, morreu também um professor.

Segundo o Ministério da Saúde de Tatarstan, 21 pessoas foram levadas para hospitais, três adultos e o resto crianças.

Um total de 18 alunos foram levados para o hospital cínico infantil da república. Seis encontra-se em estado crítico nos cuidados intensivos.

As restantes estão a ser examinadas por médicos depois de terem sofrido lesões, fraturas e hematomas, segundo o ministério.

A porta-voz do presidente de Tatarstan, Lilia Galimova, disse que o autor do ataque "estava sozinho" e negou que houvesse dois suspeitos, como vários meios de comunicação russos tinham noticiado anteriormente.

A agência de notícias TASS avançou que outro suspeito tinha sido encurralado num dos andares e morto pelas forças de segurança.

O antigo aluno, que comprou a sua arma legalmente, foi detido. Não havia segurança na escola quando o ataque ocorreu.

Na altura do incidente havia 714 crianças na escola, que foi criada em 2006, e cerca de 70 funcionários, incluindo 52 professores, de acordo com a TASS.