EFETóquio

Tóquio comunicou hoje 107 casos de contágio por coronavírus nas últimas 24 horas, um dado que ultrapassa a centena de infetados pela primeira vez desde o último 2 de maio e mais de um mês depois do Japão levantar o alerta sanitário.

Desde 24 de junho até ontem, os casos diários de COVID-19 na capital japonesa mantiveram-se em meia centena, enquanto a cidade recuperou gradualmente o seu ritmo normal depois de quase todas as restrições que afetavam bares, restaurantes e lojas na cidade terem sido levantadas.

Mas o dado de hoje, facilitado pelas autoridades da capital japonesa, representa um revés nas tentativas de Tóquio, com 14 milhões de habitantes, de regressar gradualmente à normalidade.

Segundo números oficiais, desde o primeiro caso de COVID-19 registado no Japão a 16 de janeiro, houve cerca de 19.000 pessoas infetadas no país, com 975 mortes, mas os níveis permaneceram constantes nas últimas semanas.

O alerta sanitário, denominado estado de emergência no Japão, foi declarado a 7 de abril e permaneceu em vigor até 25 de maio, quando os números diários da COVID-19 foram progressivamente reduzidos e as limitações hospitalares foram ultrapassadas.

70% DOS AFETADOS NOS ÚLTIMOS DIAS SÃO JOVENS

Numa conferência de imprensa após a divulgação dos dados, a governadora de Tóquio, Yuriko Koike, afirmou que 70% dos casos registados nos últimos dias correspondem a pessoas com idades compreendidas entre os 20 e os 39 anos, e reiterou o seu apelo para que os jovens extremem as suas preocupações em zonas de vida noturna.

Contudo, Koike excluiu outras medidas para restringir as atividades comerciais, tais como as implementadas nas últimas semanas desde o estado de emergência aprovado pelo Governo de Shinzo Abe no passado mês de abril.

Os porta-vozes oficiais advertiram recentemente que se houver um aumento invulgar do número de casos de COVID-19, será considerada a possibilidade de ordenar novamente o estado de emergência sanitária para impedir a propagação da pandemia.

Mas após a divulgação dos dados de hoje em Tóquio, o porta-voz do Governo japonês, Yoshihide Suga, disse que este não era o momento de voltar a ordenar o alerta sanitário, assinalando que entre os últimos casos apenas há uma dezena de pessoas em estado grave.