EFELondres

Os trabalhadores de saúde britânicos pediram ao Governo para restabelecer algumas restrições, como o uso obrigatório de máscaras faciais, para evitar uma crise sanitária no inverno com o aumento de contágios de covid-19.

Segundo os últimos números oficiais, o Reino Unido registou esta terça-feira outras 223 mortes por covid -o número mais elevado desde março- e 43.738 novos casos, enquanto 78,9% dos maiores de 12 anos já receberam a vacinação completa.

Face ao aumento dos contágios, a Confederação da Saúde Pública britânica, que representa as organizações de serviços de saúde, pediram ao Executivo para implementar imediatamente o chamado Plano B, que implicaria a reintrodução obrigatória do uso de máscaras nos transportes públicos e em espaços fechados e o regresso ao teletrabalho.

O responsável da referida confederação, Matthew Taylor, em declarações aos meios de comunicação britânicos, pediu este Plano B para evitar que os hospitais acabem sobrecarregados este inverno, uma vez que também se espera um aumento do número de pacientes com gripe.

"O NHS (serviço nacional de saúde britânico) prepara-se para o que poderá ser o inverno mais desafiante. É tempo de o Governo implementar sem demora o Plano B da sua estratégia porque, sem medidas preventivas, corremos o risco de tropeçar este inverno numa crise", disse Taylor.

No entanto, o Governo de Boris Johnson ressaltou que por enquanto não tem qualquer intenção de implementar restrições, embora tenha admitido que está a monitorizar os dados de perto.

O ministro da Economia britânico, Kwasi Kwarteng, disse esta quarta-feira à Sky que o Governo não quer outro confinamento e disse que os pedidos nesse sentido são "pouco úteis".

"Não queremos voltar ao confinamento ou a outras restrições", disse, salientando que há um ano atrás o país ainda não tinha um programa de vacinação contra a covid-19 em vigor.