EFEWashington

O presidente dos EUA, Donald Trump, disse esta segunda-feira que o Irão poderá estar a planear um ataque contra os Estados Unidos e ameaçou com uma agressão "mil vezes" mais forte contra o país persa caso isso venha a acontecer.

Em dois tweets publicados no final de segunda-feira, Trump parecia reagir a uma reportagem publicada sábado pela revista Politico, que citava fontes dos serviços secretos norte-americanos e dizia que o Governo iraniano planeia assassinar a embaixadora dos EUA na África do Sul, Lana Marks.

"Segundo informações da imprensa, o Irão poderá estar a planear um assassinato, ou outro ataque, contra os Estados Unidos como retaliação pelo assassinato do líder terrorista (Qasem) Soleimaní", escreveu Trump.

"Qualquer ataque do Irão, sob qualquer forma, contra os Estados Unidos terá como consequência um ataque ao Irão que será mil vezes maior em magnitude", acrescentou.

Segundo o artigo do Politico, o alegado plano iraniano para assassinar Marks seria uma retaliação pela morte do poderoso general iraniano Qasem Soleimaní, ocorrida num bombardeamento americano em janeiro passado.

Trump defendeu novamente a sua decisão de acabar com Soleimaní na segunda-feira, dizendo que este "planeava um futuro ataque em que mataria tropas americanas", além de o responsabilizar de "mortes e sofrimento durante muitos anos" como comandante da Força Quds da Guarda Revolucionária.

Esta operação americana desencadeou tensões entre Washington e Teerão no início deste ano, e em julho, o secretário do Conselho Supremo de Segurança Nacional do Irão, Ali Shamjani, advertiu que os EUA esperam por uma vingança mais dura pela morte do general.

Contudo, o Governo iraniano rejeitou categoricamente os rumores de que planeia assassinar a embaixadora dos EUA e associou-os a uma tentativa da Administração Donald Trump de, alegadamente, manchar a imagem do Irão.