EFECracóvia (Polónia)

Uma cidadã holandesa de 29 anos foi detida e multada por fazer a saudação nazi à porta do campo de extermínio nazi de Auschwitz, no sul da Polónia.

Segundo informou esta segunda-feira Bartosz Izdebski, chefe do escritório de imprensa do Museu Memorial de Auschwitz, em comunicado, o incidente aconteceu no domingo, quando a turista pediu ao seu marido que lhe tirasse uma foto na porta do campo enquanto fazia a saudação nazi.

A polícia deteve ambos e levou-os à esquadra da localidade de Oswiecim (sul), onde o procurador do distrito impôs uma multa à mulher e interrogou o marido.

Segundo as declarações da turista, o seu gesto foi "uma brincadeira estúpida", sobre a qual disse estar arrependida, e aceitou pagar a multa que lhe foi imposta.

Exaltar em público na Polónia qualquer ideologia totalitária ou exibir símbolos e gestos relacionados com as mesmas podem levar a até dois anos de prisão.

Em 2013, dois turistas turcos protagonizaram na chamada "porta da morte" de Auschwitz uma situação similar à do casal holandês, e um tribunal condenou-os a seis meses de prisão e ao pagamento de uma multa.

Já em 2019, a direção do Museu do campo pediu aos visitantes que não tirassem fotos em atitude frívola a caminhar sobre os caminhos de ferro de Auschwitz e recordou numa mensagem nas redes sociais que "há melhores lugares para aprender a fazer equilíbrios que o local que simboliza a deportação de centenas de milhares de pessoas à sua morte".

Recentemente, em dezembro de 2021, a direção de Auschwitz condenou noutras mensagens os paralelismos entre "a tragédia das pessoas que foram vítimas de experiências pseudo-médicas" no campo de extermínio nazi e "o debate sobre as vacinas, a pandemia e quem luta por salvar vidas humanas".

"É falta de respeito com as vítimas e um triste sintoma de decadência intelectual e moral", publicou o Museu nas redes sociais.

Calcula-se que cerca de um milhão de pessoas, na sua maioria judeus, foram assassinados no campo nazi de Auschwitz-Birkenau entre 1942 e 1945.