EFEIstambul

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, ameaçou esta terça-feira enviar para a Europa os prisioneiros do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) que estão no seu país caso a União Europeia imponha sanções pela realização de investigações de gás nas águas do Chipre.

A Turquia "mantém os membros da EI na prisão. Alguns prisioneiros estão na Síria. Olhem, podemos abrir a porta", ameaçou Erdogan, antes de embarcar para Washington, onde se vai encontrar com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

A UE aprovou esta segunda-feira um quadro jurídico que lhe permite adotar sanções contra as pessoas ou entidades turcas responsáveis pelos levantamentos de hidrocarbonetos.

"Aqueles que ameaçam a Turquia por conta do Chipre devem saber que não recuaremos por causa dessas ameaças", acrescentou.

O conflito entre Turquia e Chipre sobre os depósitos de hidrocarbonetos descobertos no sul da ilha começou em 2011, quando a República do Chipre, membro da UE, começou a conceder licenças de exploração, inicialmente para empresas israelitas e americanas.

A ameaça de Erdogan de enviar prisioneiros do Estado Islâmico para a Europa ocorre um dia depois da Turquia ter começado o repatriamento de membros do grupo jihadista para os seus países de origem.

Ontem foram deportados por Ancara um cidadão americano, além de um alemão e um dinamarquês. O americano, em vez de ser repatriado para o seu país, foi expulso do território turco pela fronteira turco-grega em Edirne.