EFEMoscovo

Os serviços de inteligência da Ucrânia calculam que a Rússia acumula atualmente mais de 94.000 soldados na fronteira entre ambos, e consideram que o momento mais provável de um eventual ataque será no final de janeiro de 2022, disse esta sexta-feira o ministro da Defesa ucraniano, Oleksiy Reznikov.

"A nossa inteligência está a analisar todos os cenários, incluído os piores. Dizem que há uma possibilidade de uma escalada de grande alcance por parte da Rússia", assinalou o ministro na Rada Suprema (Parlamento), segundo a agência ucraniana UKRINFORM.

O ministro ucraniano indicou que, segundo estas informações, "o momento mais provável para a preparação da escalada será no final de janeiro".

Reznikov quis sublinhar "que a escalada é um cenário provável, mas não certo", ressaltando que a sua "tarefa é dar-lhe a volta".

"Quanto melhor trabalhemos, sozinhos e com parceiros, menor será o risco de escalada. O modo é fazer que o preço de uma possível escalada seja inaceitável para o agressor", acrescentou.

O ministro reiterou que "a Ucrânia está mais interessada no cenário político e diplomata do acerto" do conflito em Donbass, onde a Rússia apoia desde 2014 os separatistas pró-russos no conflito com o Exército ucraniano.

A Rússia afirma por sua vez que não pode diminuir as tensões porque a Ucrânia quer retomar os territórios "pela força".

"Em princípio, não pode haver provocações violentas da nossa parte. Ao mesmo tempo, não se contempla a forma de 'pacificar o agressor'. Se é necessário, a Ucrânia vai contra-atacar", assegurou o ministro da Defesa.

Reznikov afirmou que a Rússia está há um ano a utilizar a tática de concentrar as suas tropas perto da fronteira e depois retirando-as mas deixando o equipamento militar atrás, o que lhe permite reduzir o tempo de destacamento.

"Em abril e setembro deste ano, a Rússia colocou mais de 50 grupos táticos nas nossas fronteiras. Atualmente, 41 grupos de batalhão estão constantemente em alerta à volta da Ucrânia e na península da Crimeia ocupada temporariamente", indicou.

"O número total de tropas na Rússia, assim como nos territórios ocupados temporariamente, que podem ser utilizados para a escalada, estima-se atualmente em 94.300 pessoas", disse Reznikov.