EFEKiev

A evacuação da fábrica química de Azot, na cidade de Severodonetsk, no leste da Ucrânia, é completamente impossível devido aos constantes bombardeamentos e combates com as tropas russas, disse o chefe da Administração Militar regional de Lugansk, Serhi Haidai.

Atualmente estão 568 pessoas, entre as quais 38 crianças, refugiadas na fábrica, segundo o responsável militar desta região, onde a ofensiva russa se centra há várias semanas.

"A evacuação de Severodonetsk Azot é impossível. Agora é impossível sair fisicamente do território da fábrica e é simplesmente perigoso devido aos constantes bombardeamentos e combates", disse Haidai.

"No mês passado, quando o oferecemos, estas pessoas recusaram evacuar (as instalações). A saída da fábrica só é possível com um cessar-fogo completo", acrescentou o responsável militar.

Haidai disse também que a fábrica química de Severodonetsk, lugar estratégico de Lugansk que Moscovo procura controlar para conseguir toda a região, "não está bloqueada, há comunicação com a cidade".

Os russos bombardeiam a cidade há mais de um mês e conseguiram o controlo de praticamente toda a zona exceto a fábrica, onde se refugiam civis e militares ucranianos.

O assédio à fábrica recorda o sucedido com a metalúrgica de Azovstal, na cidade costeira de Mariupol, que foi o último enclave conquistado pelos russos depois de semanas de assédio.