EFEBruxelas

O aditivo alimentar E171 à base de dióxido de titânio, usado para pôr cor branca a pães, pastilhas elásticas, molhos ou sopas, não poderá ser utilizado na União Europeia a partir de junho depois de uma transição de seis meses, anunciou esta sexta-feira a Comissão Europeia, que já não o considera seguro.

Os Estados-membros apoiaram por unanimidade a proposta da Comissão para descartar esse aditivo, cuja retirada também era pedida pelo Parlamento Europeu depois da Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA, em inglês) ter assinalado em maio do ano passado que não o considerava seguro.

O E171 já está proibido, por exemplo, em França, onde uma equipa de investigadores demonstrou que as nanopartículas desse aditivo podem atravessar a placenta da mãe durante a gravidez e chegar ao feto, o que pode acarretar possíveis consequências para o seu desenvolvimento.

"A segurança dos alimentos que os nossos cidadãos consomem e a sua saúde não são negociáveis. É por isso que garantimos um controlo estrito e contínuo dos mais altos padrões de segurança para os consumidores", indicou em comunicado a comissária da Saúde e Segurança Alimentar, Stella Kyriakides.

A comissária pediu às autoridades dos Estados-membros para "garantir que os operadores do setor alimentar deixem de usar o E171".