EFEBruxelas

A Comissão Europeia (CE) assinou um contrato com a empresa farmacêutica Gilead para receber doses de Remdesivir, medicamento que demonstrou eficácia contra a COVID-19, suficientes para tratar 30.000 pacientes graves nos 27 Estados da União Europeia (UE) e no Reino Unido.

O Executivo comunitário assinou terça-feira o contrato com a empresa e vai começar a distribuir os lotes de Veklury, o nome comercial do Remdesivir, entre os países a partir de agosto, disse a Comissão esta quarta-feira.

Bruxelas vai pagar 63 milhões de euros pelo tratamento, que será financiado através do Instrumento de Apoio de Emergências ativado devido à COVID-19, que conta com 2.700 milhões de euros do orçamento comunitário para financiar a compra de tratamentos ou vacinas, por exemplo.

O Remdesivir adquirido permitirá o tratamento de "aproximadamente 30.000 pacientes com sintomas graves de COVID-19" e ajudará a cobrir as necessidades imediatas nos próximos meses, disse a Comissão em comunicado.

Bruxelas diz que tal também permitirá uma distribuição "justa" entre os Estados, que será efetuada seguindo uma chave de distribuição baseada na recomendação do Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças.

Ao mesmo tempo, Bruxelas está a preparar um processo de licitação pública conjunta para a aquisição deste medicamento para satisfazer as necessidades a partir de outubro.

A comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides, salientou que esta compra, negociada com a Gilead nas últimas semanas, chega "menos de um mês após" a autorização dada a 3 de julho ao Remdesivir, o primeiro medicamento a receber luz verde na UE para o combate ao coronavírus.