EFEParis

A Unesco teme que 24 milhões de estudantes de todos os níveis à volta do mundo abandonem a escola devido aos fechos das instituições devido à crise do novo coronavírus, pedindo que a continuidade da aprendizagem seja mantida, especialmente para os mais vulneráveis.

Num comunicado publicado esta terça-feira, coincidindo com uma mensagem da ONU para priorizar a reabertura de escolas sempre que possível, a Unesco explica que o ensino superior será relativamente o mais afetado pela evasão escolar, com uma taxa de menos 3,5% matrículas, equivalente a 7,9 milhões de estudantes.

No nível pré-escolar, a queda esperada será de 2,8%, com cinco milhões a menos de crianças nas salas de aula, enquanto no ensino básico a queda será de 0,27% e no secundário de 1,48%.

No total, isso significa que 5,2 milhões de rapazes e 5,7 milhões de raparigas vão abandonar as escolas do ensino básico e secundário.

As regiões mais afetadas, de acordo com esta agência da ONU, serão o sul e oeste da Ásia, com 5,9 milhões de estudantes a abandonar a escola, e a África subsaariana, com 5,3 milhões.

A diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, disse que "esses resultados ressaltam a urgência de garantir a continuidade da aprendizagem para todos diante da crise sem precedentes, principalmente para os mais vulneráveis".

Azoulay também alertou para um aumento de um terço no défice de financiamento para atingir as metas de desenvolvimento sustentável da educação até ao horizonte de 2030, inicialmente estimado em 148.000 milhões de dólares.