Wuhan (China), Jan 23 (EFE) - Wuhan, a grande cidade chinesa que durante a noite foi subitamente isolada e confinada, depois de ter sido a primeira a sofrer o vírus que ainda afeta o mundo, ainda hoje tenta recuperar a sua vida com grande cautela, entre feridas que levarão tempo a ultrapassar.

Às 10h do dia 23 de Janeiro de 2020, esta cidade de 11 milhões de pessoas acordou completamente fechada, com as suas entradas fechadas, as suas ruas desertas e a sua gente dentro de casa, no meio do pavor de uma doença sobre a qual pouco se sabia.

Nos primeiros momentos do isolamento sem precedentes, alguns ainda conseguiram sair para comprar comida nas poucas lojas que permaneceram abertas, mas logo estas fecharam e ninguém se saiu da sua casa durante semanas.