EFEPequim

O presidente da China, Xi Jinping, felicitou Joe Biden pela sua recente eleição para a presidência dos Estados Unidos, informou esta quinta-feira a imprensa estatal.

"Esperamos que ambas as partes mantenham um espírito de benefício mútuo e respeito, e não de confrontação ou conflito; concentrem-se na cooperação, giram as suas diferenças e promovam o desenvolvimento estável e saudável das relações sino-americanas", disse Jinping numa mensagem enviada no final da quarta-feira, hora local.

Segundo o líder chinês, este último ponto "não é apenas do interesse de ambos os povos, mas é também a expectativa comum da comunidade internacional".

Por sua parte, o vice-presidente chinês, Wang Qishan, felicitou a sua homóloga (eleita) americana Kamala Harris.

No passado 13 de novembro, o porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Wenbin, felicitou Biden e Harris, embora não os tenha considerado explicitamente como os vencedores das eleições.

Num exercício de malabarismo dialético, Wang disse: "Respeitamos a escolha do povo americano e transmitimos as nossas felicitações ao Sr. Biden e à Sra. Harris. Compreendemos que o resultado das eleições americanas será decidido de acordo com as suas leis e procedimentos".

Pequim e Washington mantêm relações tensas que têm vindo a deteriorar-se rapidamente desde março de 2018, quando o presidente norte-americano cessante, Donald Trump, deu início a uma guerra comercial.

O que começou como uma troca de tarifas e negociações para tentar equilibrar a balança comercial (vencida amplamente do lado chinês), foi alargado a outros sectores.

Com o passar dos meses, a situação derivou numa "guerra fria" que coloca ambas potências também em confronto ao nível tecnológico e estratégico, com fricções cada vez mais frequentes nas águas do mar da China Meridional.