EFEMoscovo

O avião de passageiros AN-148 que de despenhou este domingo nos arredores de Moscovo com 71 pessoas a bordo tinha passado no último janeiro uma revisão completa de manutenção, informou hoje Saratovskie Avialinii, a companhia aérea proprietária do aparelho.

A revisão, conhecida como "revisão tipo C", realiza-se a cada dois anos e inclui, entre outras coisas, "a revisão do motor, a fuselagem e as asas", afirma um comunicado divulgado pela companhia aérea baseada na cidade de Saratov (região no Volga), que suspendeu os voos de todos os seus AN-148.

A aeronave, além disso, passou na revisão de manutenção obrigatória que se deve fazer antes de cada voo "sem que se tenha detetado qualquer falha", acrescentou a companhia aérea.

O avião, que caiu minutos após descolar do aeroporto Domodedovo (Moscovo), tinha completado outras três rotas durante o dia de ontem.

No entanto, a tripulação do fatídico voo regular 6W 703 entre Moscovo e a cidade de Orsk, no sul dos Urais, acabava de começar o seu turno.

Cerca de mil pessoas, 191 veículos e nove aviões não pilotados participam nos trabalhos de busca dos corpos das vítimas do acidente e dos destroços do aparelho acidentado.

"Por enquanto encontraram-se mais de 200 fragmentos dos corpos dos falecidos", disse à imprensa local Sergei Poletikin, chefe do Ministério de Situações de Emergências para a região de Moscovo.

A ministra de Saúde, Veronika Skvortsova, afirmou que será necessário uma semana para recolher todos os restos mortais do lugar da tragédia.

Poletikin também anunciou a localização das duas caixas-pretas do AN-148, que serão analisadas por especialistas do Comité de Aviação Estatal russo, encarregado de investigar as causas do acidente.

A grande dispersão dos fragmentos da aeronave, sobre uma superfície de pelo menos 30 hectares, a neve e as características do terreno dificultam os trabalhos de busca, que segundo adiantou o ministro russo de Emergências, Vladimir Puchkov, se vão prolongar durante um mínimo de sete dias.

As autoridades russas não anteciparam por enquanto nenhuma hipótese sobre as possíveis causas do acidente do avião, limitando-se a assinalar que estão abertas todas as linhas de investigação.

A imprensa local publicou hoje imagens, captadas por uma câmara de videovigilância, do momento no qual avião choca contra o solo e se produz uma grande explosão.

A bordo do AN-148 encontravam-se seis tripulantes e 65 passageiros, três deles crianças.

Em princípio, as autoridades comunicaram que todos os ocupantes do avião eram cidadãos russos, mas mais tarde precisaram que havia três passageiros estrangeiros, um cidadão suíço, um azerbaijano e um cazaque.

O AN-148 é um avião desenhado pela empresa aeronáutica ucraniana Antonov para cobrir rotas de distância média, com uma autonomia de voo de entre 2.200 e 4.400 quilómetros, em dependência da sua configuração.

O acidente aéreo deste domingo é o mais grave ocorrido na Rússia desde 25 de dezembro de 2016, quando o SU-154 caiu no mar Negro, causando a morte aos seus 96 ocupantes.