EFELisboa

Os governos da Andaluzia e de Portugal apostaram esta quarta-feira pelo aumento da relação comercial entre os dois territórios, o intercâmbio de investimentos empresariais e pela aliança para alcançar mercados maiores, algo para o qual expuseram a política de "estabilidade" como um valor que dá "confiança".

O presidente andaluz, Juanma Moreno, e o Ministro português do Estado, Economia e Transição Digital, Pedro Siza Vieira, defenderam no Fórum Empresarial Andaluzia-Portugal 2020 a necessidade de dar mais um passo nas relações entre os dois territórios, primeiro no intercâmbio comercial como mercados "mais óbvios" e também no aproveitamento do "mercado ibérico único".

Dentro da agenda de Moreno na sua primeira visita oficial a Portugal, ambos dirigentes realizaram uma reunião antes da abertura deste fórum, na qual participaram 140 profissionais de 37 empresas andaluzas e 82 portugueses.

Moreno apresentou a Andaluzia aos empresários como "um valor seguro" para o investimento, destacando a "estabilidade, progresso e rentabilidade" das ações que se querem desenvolver na comunidade, que é "uma aliada segura e estável".

O presidente da Andaluzia abriu as portas aos empresários portugueses que queiram investir na comunidade, onde terão um Governo "disposto a estar ao seu lado", defendendo que a Andaluzia e Portugal têm a oportunidade de serem "mais ambiciosos" e levar as relações comerciais "a um nível superior".

A Extenda, Agência Andaluza de Promoção Externa, vai realizar este ano duas missões comerciais em Portugal nos sectores agro-industrial e aeronáutico, que lideram as exportações.

Moreno defendeu "desenterrar complexos" e deixar de se sentir "pequenos", pois acredita que ambos territórios devem "soltar amarras" e tirar mais proveito do mercado único ibérico, fazendo, por exemplo, com que as pequenas e médias empresas operem em ambos os lados das fronteiras com total naturalidade.

O presidente andaluz explicou o "novo rumo" da economia da sua região, enfatizando a redução fiscal; a eliminação de obstáculos administrativos; a criação da figura do "project manager" para dirigir projetos empresariais; a aprovação de dois orçamentos; e a geração "de algo que Portugal também conseguiu, a confiança".

Moreno garantiu aos empresários que vão continuar a baixar impostos e que não se vão mudar "as regras do jogo a meio do encontro".

Para além das dinâmicas empresariais, Moreno delineou outras questões de colaboração "eficaz", tais como a colaboração em incêndios, projectos transfronteiriços ou infraestruturas partilhadas.

O ministro Pedro Siza Vieira referiu-se ainda às "grandes oportunidades" geradas pelo trabalho conjunto entre Portugal e Andaluzia, com novos negócios, atraindo investimentos, trabalhando com universidades ou diversificando os sectores de exportação.

O ministro português explicou que para um país pequeno como Portugal e uma região como a Andaluzia, a possibilidade de crescimento económico depende de chegar a mercados maiores, que neste caso são os mais próximos, e deu como exemplo as relações entre o norte e a Galiza, que cresceram "muitíssimo" nos últimos anos.

"Quando aproximamos as relações comerciais, quando se torna indiferente se estamos a fazer negócios de um lado ou do outro, os negócios crescem, alcançamos mais clientes", acrescentou.

Siza Vieira recordou aos empresários andaluzes que Portugal é um país onde se fala espanhol, que tem "estabilidade política, fiscal e social e que é um país pacífico", pelo que terão "o melhor acolhimento" para as suas actividades e uma "maior oportunidade de mercado".

Mais tarde, em declarações à imprensa, salientou que as diferenças de cor política entre os governos português e andaluz não podem condicionar as relações, já que manter uma boa ligação entre territórios vizinhos é a prioridade.

"Só podemos desejar que as coisas corram bem para todos os governos da península porque, se as coisas correrem bem em Espanha, também correrão sempre melhor em Portugal", disse.

Depois deste fórum empresarial, Moreno reuniu-se com a Ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, e esta tarde vai encontrar-se com o Ministro do Mar, Ricardo Serrão.

O presidente da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola, Enrique Santos, a embaixadora de Espanha em Portugal, Marta Betanzos, e os presidentes das associações patronais de Portugal, Jorge Pais, e da Andaluzia, Javier González de Lara, também participaram no encontro empresarial.