EFELisboa

"A União Europeia ou faz o que tem a fazer ou acabará", afirmou hoje o primeiro-ministro português, o socialista António Costa, em alusão às graves diferenças entre Norte e Sul que levaram ao fracasso do Conselho Europeu extraordinário de quinta-feira.

"Não há nenhum país da UE que esteja preparado para enfrentar situações com esta dimensão", disse Costa à imprensa.

Por isso, ressaltou, são "repugnantes" palavras como as expostas pelo ministro das Finanças holandês, Wopke Hoekstra, que propôs na reunião investigar países como Espanha por não terem margem orçamental para lutar contra o coronavírus, apesar da Zona Euro ter crescido nos últimos sete anos.