EFEPorto

"Chegou o momento de colocar rapidamente em andamento a recuperação económica e social", disse hoje o primeiro-ministro português António Costa na abertura da Cimeira Social do Porto.

A presença de 24 dos 27 chefes de Estado e de Governo da UE, agentes sociais e representantes da sociedade civil é uma "demonstração da importância da dimensão social europeia".

A pandemia, acrescentou Costa, revelou a fragilidade das nossas sociedades e o Pilar dos Direitos Sociais "não é apenas uma resposta à situação atual, mas sim um instrumento de futuro" que é essencial para avançar nos outros dois desafios do bloco, a revolução verde e digital.

Para o conseguir, disse, é necessário o diálogo social e a participação dos agentes sociais.

Também durante a abertura, a presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, argumentou que a Cimeira está a ser realizada para construir uma Europa social "adequada ao nosso tempo, que cumpra as suas ambições".

"Os povos da Europa estão a pedir oportunidades e proteção. A pandemia revelou alguns dos paradoxos da nossa economia. Pensem nos chamados trabalhadores essenciais", acrescentou.

"A economia social de mercado europeia deve trabalhar também para eles, para a juventude e para as mulheres", deu como exemplo.

O evento do Porto irá contar com debates sobre a transformação dos princípios do pilar europeu dos direitos sociais em "mudanças positivas tangíveis para milhões de europeus".

Von der Leyen instou os Estados-membros que ainda não o fizeram a ratificar antes do final do mês a legislação que permitirá à Comissão endividar-se para financiar nos mercados o plano de recuperação para a pandemia.

A política alemã sublinhou que o plano de recuperação "criará bons empregos em toda a nossa União", "investirá em competências" para os trabalhadores e será "sustentado por reformas para dar nova energia à nossa economia".

Na Alfândega do Porto, os líderes europeus procuram apoiar o plano de ação do Pilar dos Direitos Sociais, com a redução do desemprego e da pobreza, o reforço da formação e a igualdade de oportunidades como eixos da iniciativa.