EFE

Lisboa

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, condenou este sábado a "brutalidade" da invasão russa da Ucrânia e pediu justiça pelos crimes cometidos.

O primeiro-ministro realizou estas declarações no começo da sua visita oficial a Kiev, onde se reuniu com o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, e o seu homólogo, Denys Shmyhal.

"Aqui não falamos de uma guerra normal. Estamos a falar de algo que é realmente criminoso e que procura a pura destruição da vida das pessoas e do futuro do país", alegou Costa durante uma visita ao subúrbio de Irpin, uma das zonas ao norte de Kiev que estiveram ocupadas pelas forças russas até finais de março.

Costa recordou também que é "fundamental" uma investigação para penalizar os crimes de guerra cometidos, já que "a guerra também tem regras" e "os valores de humanidade têm que ser preservados": "Isto é inadmissível".

O primeiro-ministro transmitiu a sua solidariedade ao povo ucraniano e destacou o apoio à "soberania" do país.

Ao longo da visita, Costa irá abordar o apoio que Portugal pode contribuir ao nível de equipamento militar, humanitário e financeiro, assim como a perspetiva europeia da Ucrânia.