EFEViena

O Governo da Áustria, liderado pelo democrata-cristão Sebastian Kurz, foi remodelado esta quarta-feira com quatro especialistas que assumiram os cargos ministeriais ocupados até agora por representantes do partido ultranacionalista FPÖ.

Esta mudança acontece no meio da polémica causada por um vídeo gravado em 2017 em Ibiza, onde Heinz-Christian Strache, até ao último fim de semana ex-vice-chanceler e líder do FPÖ, prometia favores políticos a uma suposta empresária russa em troca de doações ilegais para o seu partido.

O escândalo explodiu na sexta-feira passada quando dois meios de comunicação alemães publicaram as imagens que comprometem Strache e o seu número dois e ex-chefe do grupo parlamentar do FPÖ, Johann Gudenus.

Ambos demitiram-se no sábado, mesmo dia em que o chanceler federal anunciou o final da coligação após 17 meses e a antecipação das eleições gerais para o mês de setembro.

Kurz despediu depois o ministro do Interior, o polémico Herbert Kickl, também de extrema-direita, pelo que os restantes ministros desse partido demitiram-se em bloco.

A principal nomeação do novo executivo é o ministro das Finanças, o democrata-cristão Hartwig Löger, que vai ocupar o cargo de vice-chanceler em lugar de Strache.

Além disso, foram substituídos os ministros da Defesa, Interior, Assuntos Sociais e Infraestruturas, por reconhecidos especialistas, entre eles um juiz, uma executiva e um oficial do exército austríaco.

O novo governo enfrenta uma possível moção de censura na próxima segunda-feira, apresentada pelo partido opositor Jetzt.

O FPÖ, furioso com Kurz por suspender a coligação depois de apenas 17 meses, anunciou que vai votar a favor desta moção.

Tudo depende agora do opositor partido social-democrata SPÖ, que ainda não disse se se junta ao FPÖ ou vai derrubar o executivo.

Seria a primeira vez na história do país alpino que um chefe de Governo perde uma moção de censura.

Strache era um dos líderes mais importantes do movimento populista e direitista europeu, e a sua queda produz-se a poucos dias das eleições europeias deste fim de semana.