EFEViena

Os ministros do ultranacionalista FPÖ que abandonaram o Governo austríaco serão substituídos até às eleições antecipadas de setembro por especialistas de conhecido prestígio, integridade e independência, anunciou hoje o presidente do país, Alexander van der Bellen.

O chefe de Estado explicou que aceitou tanto o pedido de destituição do ministro do Interior, Herbert Kickl, como a demissão voluntária do resto dos ministros do FPÖ.

Só a responsável dos Negócios Estrangeiros, Karin Kneissl, uma independente nomeada então pelo FPÖ, mostrou-se disposta continuar num Executivo de transição na Áustria.

O presidente assegurou que, perante a crise de Governo que o país vive e para recuperar a confiança na política, essas pastas apenas podem ser ocupadas por "especialistas irrepreensíveis".

Van der Bellen afirmou que, "especialmente para o Ministério do Interior, fazem falta pessoas profissionais, acima dos partidos, reconhecidos e íntegros".

O chanceler federal, o conservador Sebastian Kurz, afirmou que hoje mesmo vai apresentar ao presidente as suas propostas para substituir os responsáveis da Defesa, Infraestruturas, Interior e Saúde, e que esses nomes irão corresponder a especialistas ou funcionários públicos.

"Trata-se de escolher pessoas que, claramente, sejam completamente íntegros e profissionalmente qualificados", explicou o chanceler e chefe do Partido Popular austríaco (ÖVP).

Kurz disse que as suas prioridades são manter a capacidade de gestão do Governo nos próximos três meses, até às eleições.