EFEBruxelas

Os líderes da União Europeia (UE) deram início esta sexta-feira ao segundo dia do Conselho Europeu, dedicado ao futuro da Zona Euro, após não se ter alcançado um consenso na quinta para distribuir os cinco altos cargos europeus em jogo.

O presidente do Eurogrupo e ministro das Finanças português, Mário Centeno, afirmou à sua chegada ao Conselho que se vai trabalhar sobre o acordo conseguido na última reunião de ministros da Economia dos países da moeda única para reforçar a Zona Euro que assentou a base para um orçamento do euro, por enquanto pouco ambicioso.

"Temos um acordo amplo nos principais detalhes deste orçamento, embora ainda seja necessário mais trabalho, estou à espera de diretrizes dos líderes nesse assunto", disse o português, que aceitou chamar a esse acordo um "embrião de um verdadeiro orçamento da Zona Euro".

Centeno ressaltou que o importante "é torná-lo efetivo" e que "a quantidade de dinheiro que se lhe dedique (...) crie as condições para mais convergência e competitividade".

Além do euro, os líderes farão também um breve resumo da situação do "brexit", em ponto morto após a demissão da primeira-ministra britânica, Theresa May.

O chefe do Governo luxemburguês, Xavier Bettel, reiterou à sua chegada que o acordo de retirada negociado com May é "o melhor possível" e deixou claro que "a renegociação não está na agenda" apesar de haver uma mudança de líder no Reino Unido.

Os chefes de Estado e de Governo dos Estados membros da UE voltarão a encontrar-se no próximo 30 de junho para tentar nomear os presidentes da nova Comissão, Conselho, Parlamento europeu, assim como o responsável da diplomacia comunitária e do chefe do Banco Central Europeu (BCE).