EFEHaia

A Agência Europeia do Medicamento (EMA) começou esta segunda-feira a avaliar um pedido da Janssen, pertencente à farmacêutica americana Johnson & Johnson, para administrar uma dose de reforço da sua vacina monodose dois meses depois da primeira em maiores de 18 anos.

O comité de medicamentos de uso humano (CHMP) está já a estudar, num processo de "avaliação acelerada", os dados apresentados pela companhia para justificar a necessidade de uma segunda dose, entre os quais estão os resultados de um estudo com mais de 14.000 adultos que receberam uma segunda injeção ou um placebo dois meses após a dose inicial.

A EMA poderá anunciar as conclusões da sua avaliação no prazo de "umas semanas", a não ser que seja necessário informação adicional por parte da farmacêutica.

A vacina da Janssen, que se baseia num vetor adenoviral derivado de um adenovírus responsável pela gripe comum em humanos, está autorizada na União Europeia (UE) desde março passado, com uma dose única, em maiores de 18 anos, o cenário que se mostrou eficaz nos testes clínicos.

Além disso, a agência já deu parecer positivo à dose de reforço em adultos das vacinas de Pfizer/BioNtech e Moderna, ambas baseadas em RNA mensageiro, seis meses depois da segunda dose, embora a decisão de recorrer a essa injeção seja competência das autoridades nacionais de cada país com base em diferentes fatores, tais como a propagação do vírus, a disponibilidade das vacinas e a capacidade do sistema nacional de saúde.

Na semana passada, Marco Cavaleri, chefe de Estratégia de Vacinação da EMA, sublinhou que "as doses de reforço vão ter uma parte importante na estratégia de vacinação" em decurso na UE, especialmente dado o aumento dos contágios e as hospitalizações por covid-19 na região.

Além disso, ressaltou que o intervalo de pelo menos seis meses entre a segunda e terceira dose foi retirado dos dados disponíveis, mas "entender-se-ia totalmente se os países decidirem apostar por certa flexibilidade quanto ao intervalo e considerar um ponto mais antecipado para administrar essa dose de reforço".

(Mais informação sobre a União Europeia em euroefe.euractiv.es)