EFE

Washington

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, transmitiu ao ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, as suas condolências pela morte de 50 prisioneiros ucranianos numa prisão na autoproclamada República Popular de Donetsk e prometeu que Washington responsabilizará Moscovo pelas suas "atrocidades".

A conversa entre Blinken e Kuleba ocorreu na sexta-feira após o ataque à prisão, localizada na cidade de Yelenovka, ser conhecido, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, num comunicado divulgado neste sábado.

Durante a chamada telefónica, de acordo com Price, Blinken "reafirmou o compromisso dos Estados Unidos de responsabilizar a Rússia pelas atrocidades que as suas forças cometeram contra o povo da Ucrânia".

O ataque causou 40 mortes, segundo estimativas ucranianas, embora Washington e Moscovo coloquem o número de prisioneiros que perderam a vida em 50.

A Ucrânia culpa mercenários da empresa militar privada russa Wagner. Enquanto isso, a Rússia e os separatistas pró-Rússia culpam Kiev e Washington, alegando que o ataque foi realizado com mísseis Himars fornecidos pelos EUA ao Exército ucraniano.

A Ucrânia pediu à ONU e ao Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) que enviem uma missão a Donetsk para investigar o ataque.

O Departamento de Estado dos EUA limitou-se a culpar a Rússia no seu comunicado e não apurou se a operação foi orquestrada pela Wagner.