EFERio de Janeiro

Um indivíduo mascarado, armado e com gasolina, mantém esta terça-feira como reféns os passageiros e o motorista de um autocarro na cidade brasileira do Rio de Janeiro, ameaçando incendiar o veículo desde o seu interior.

O incidente, que começou às 5h30 da manhã, hora local (8h30 GMT), acontece sobre a emblemática ponte Rio-Niterói, que liga essas duas grandes cidades da região metropolitana do Rio de Janeiro, provocando também um grande engarrafamento de trânsito desde o início da manhã.

A porta-voz da Polícia de Estradas Federais, Sheilla Sena, disse aos jornalistas que segundo os primeiros testemunhos o homem identificou-se como polícia militar, "pondo os passageiros em perigo ao ameaçá-los que ia incendiar o autocarro, mas desconhece-se qual é o propósito real".

A Polícia Militarizada (PM), que negoceia a rendição do sequestrador, indicou à imprensa no local que a ação parece ter sido premeditada, embora se desconhecem os motivos que levaram o indivíduo a sequestrar o autocarro.

O veículo tinha saído minutos antes desde São Gonçalo, o segundo maior município do estado e também localizado na região metropolitana da capital fluminense, com destino ao centro do Rio de Janeiro.

O sequestrador libertou, quase duas horas depois, três mulheres e um homem, todos adultos e soltos individualmente, com intervalos de tempo, e, com uma máscara a tapar a sua cara, lançou um objeto incendiário desde o interior do autocarro para ratificar as suas ameaças.

As autoridades estão a interrogar aos quatro reféns libertados para obter mais informação sobre o número de pessoas retidas pelo sequestrador e outros detalhes que permitam a ação policial.

O Batalhão de Operações Especiais (Bope), o grupo elite da Polícia do Rio de Janeiro, que conta com franco-atiradores, levou várias unidades ao local, informou Mauro Fliess, porta-voz da PM.