EFETeerão

O Irão recusou nesta sexta-feira que um dos seus mísseis derrubasse o avião ucraniano siniestrado ao sul de Teerão com 176 pessoas a bordo e, com o fim de pôr fim a estas denúncias, abriu a investigação à participação de outros países.

Desde o Ministério dos Assuntos Exteriores à Organização da Aviação Civil do Irão, todos negaram a hipótese do míssil, que consideram uma espécie de conspiração e de "guerra psicológica" contra a República Islâmica.

"Qualquer comentário sobre o que ocorreu antes de extrair os dados das caixas negras não é válido, mas o que é claro para nós e posso dizer-lhes é que esse avião não foi atingido por míssil nenhum", sublinhou numa conferência de imprensa o chefe da Organização da Aviação Civil, Alí Abedzadeh.

O responsável iraniano fez questão de que "teve fogo durante mais de um minuto e médio no avião enquanto estava a voar" e que a localização do acidente "mostra que o piloto tentou regressar (ao aeroporto Íman Jomeiní)".