EFETóquio

As autoridades do Japão anunciaram hoje a deteção de 88 novos casos de coronavírus no cruzeiro que se encontra no porto de Yokohama, elevando o número total de contágios a bordo para 542 até ao momento e nas vésperas do fim da quarentena.

Até agora, as autoridades japonesas testaram 2.404 passageiros e tripulantes para o COVID-19, sendo que 22 deles deram positivo, de acordo com dados divulgados hoje pelo Ministério da Saúde japonês.

Os últimos números foram divulgados na véspera do desembarque previsto de passageiros e tripulantes que não contraíram o vírus, um processo que irá continuar até sexta-feira, disse o ministro da Saúde do Japão, Katsunobu Kato, em conferência de imprensa.

As autoridades japonesas testaram todas as pessoas ainda a bordo do Diamond Cruise desde que este foi declarado em quarentena no dia 3, com cerca de 3.700 pessoas a bordo.

Todos os passageiros e tripulantes do Diamond Cruise que tiveram resultados positivos foram levados a instalações médicas, enquanto os restantes foram obrigados a observar a quarentena, à exceção dos idosos e das pessoas com complicações de saúde, que foram evacuados na semana passada.

Além disso, os Estados Unidos decidiram na última segunda-feira repatriar cerca de 380 dos seus cidadãos que estavam a bordo do navio com o objetivo de proteger "a segurança e bem-estar" dos cidadãos, de acordo com a Embaixada do país no Japão.

Também procederam à repatriação dos seus cidadãos os Governos da Coreia do Sul, que enviou hoje o avião presidencial ao Japão para evacuar cinco dos seus cidadãos que estavam a bordo do cruzeiro marítimo, assim como Hong Kong, Filipinas, Israel, Itália e Canadá, que o farão nas próximas horas.

O porta-voz governamental Yoshihide Suga defendeu hoje como "apropriadas" as medidas tomadas para evitar a propagação do vírus, após críticas de como as autoridades japonesas têm procedido para manter o navio isolado durante duas semanas com todos os passageiros a bordo.

Sem contar os contágios no Diamond Cruise, os casos de COVID-19 no Japão já ultrapassaram a meia centena, com uma dúzia de novas infeções confirmadas em Tóquio e em outras partes do país nesta terça-feira.

"Estamos a observar um aumento dos casos em que a rota de transmissão do vírus não se conseguiu determinar de forma imediata", disse o ministro da Saúde, que enfatizou a necessidade de tomar medidas "considerando a possibilidade de que (o vírus) se espalhe até um certo extremo".