EFETóquio

As autoridades do Japão anunciaram esta quarta-feira que foram detetados mais 40 casos do novo coronavírus no cruzeiro que está atracado desde a semana passada no porto de Yokohama, entre eles quatro pacientes com sintomas graves.

O Ministério da Saúde do Japão precisou que se trata de 39 passageiros e um dos funcionários encarregados da quarentena, elevando o número total de infecções ligadas ao cruzeiro a 175.

Os quatro pacientes com sintomas graves, três deles com nacionalidade japonesa, foram internados na unidade de terapia intensiva, disse o ministro da Saúde japonês, Katsunobu Kato, em conferência de imprensa.

Até agora, 492 dos cerca de 3.600 passageiros e tripulantes a bordo do navio Diamond Princess foram examinados. Quase um terço dos resultados foram positivos.

O Diamond Princess, que partiu de Yokohama (sul de Tóquio) a 20 de janeiro e voltou a 3 de fevereiro, após paragens em Hong Kong, Vietname, Taiwan e nos portos japoneses de Kagoshima e Okinawa, foi colocado em quarentena após ser descoberto que um passageiro que desembarcou em Hong Kong era portador do vírus.

As autoridades japonesas impediram o desembarque e decretaram o isolamento até ao dia 19, a fim de evitar mais contágio no país, embora contemplem permitir que os passageiros mais velhos e os que sofram de doenças crónicas saiam do navio antes, de acordo com a imprensa local.

Além dos 175 casos confirmados a bordo do navio, todos transferidos para hospitais, o Japão registou cerca de 30 pessoas infetadas com o novo coronavírus inicialmente identificado na cidade chinesa de Wuhan.