EFESófia

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, mostrou-se hoje "satisfeito" com o conteúdo europeu do pré-acordo de governo na Alemanha entre o bloco conservador de Angela Merkel e os social-democratas.

"Em termos de conteúdo estou muito contente com o que o CSU, CDU e SPD acordaram como parte da política comum para o futuro. É uma contribuição significativa, positiva e que olha para o futuro sobre o debate da política europeia", disse Juncker em conferência de imprensa.

Por sua parte, o primeiro-ministro búlgaro, Boyko Borissov, lembrou que a Alemanha é um dos países que lideram a UE e que "a estabilidade da Alemanha tem um impacto em toda a UE".

Também ressaltou que esse país é "o maior contribuinte" ao orçamento comunitário e indicou que espera que se mantenha como tal no futuro.

Por outro lado, confiou em que Berlim e outras capitais europeias, como Amsterdão, apoiem a incorporação da Bulgária à zona de livre circulação Schengen.

"A Bulgária é agora a fronteira mais bem protegida", ressaltou.

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o líder social-democrata, Martin Schulz, alcançaram hoje um acordo para uma futura grande coligação, após cinco dias de conversas e uma ronda final negociador de mais de 24 horas de duração.

O bloco conservador da chanceler alemã, Angela Merkel, e os social-democratas alcançaram um princípio de acordo no qual apostam por trabalhar junto com França na próxima legislatura para fortalecer a UE e mostram-se dispostos a aumentar a contribuição da Alemanha ao orçamento comunitário.

Merkel, Schulz e Horst Seehofer -chefe do CSU, a ala bávara do CDU- lideraram as equipas dos seus respetivos partidos nas conversas que levaram a um pré-acordo para iniciar negociações formais para reeditar a grande coligação de Governo.

"A renovação da UE apenas se conseguirá se a Alemanha e França trabalham juntas e com toda a sua energia para isso", ressalta-se no documento pactuado, de 28 páginas e liderado pelo capítulo europeu.