EFEBucareste

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, insistiu hoje em que a UE não vai renegociar o "brexit", apesar do risco de "uma catástrofe" se o acordo previsto não alcança o apoio do Parlamento britânico na próxima terça-feira e, em consequência, o Reino Unido abandona o bloco sem pacto.

"Claro que estamos em contato com o Gabinete da primeira-ministra britânica (Theresa May), mas por favor não confundam isto com uma renegociação", disse Juncker em conferência de imprensa em Bucareste, depois de se reunir com o presidente romeno, Klaus Iohannis.

"A Comissão disse que não irá haver renegociações", insistiu o presidente da Comissão e ressaltou que o único que Bruxelas pode oferecer a Londres neste momento são "esclarecimentos", embora não os especificou.

"Não acho que seja prudente dizer agora todos os detalhes das conversas em curso", indicou.

"Até o voto de terça-feira no Parlamento britânico temos de fazer todos os esforços para que esse voto não fracasse", acrescentou Juncker, também sem dar maiores detalhes sobre as atividades que supõem tais esforços.

Seja como for, o político luxemburguês expressou a sua esperança de que os legisladores britânicos deem finalmente o sinal verde ao texto estipulado sobre as modalidades nas quais o Reino Unido vai abandonar a União Europeia a 29 de março.

"Espero que tenhammos um acordo, não desejo uma saída do Reino Unido sem acordo, porque isso seria uma catástrofe tanto para os cidadãos britânicos como para todo o continente europeu", ressaltou.

Por outro lado, Juncker antecipou que a cimeira da UE prevista para o dia 9 de maio na cidade de Sibiu, na Transilvânia romena (centro do país), irá estar dedicada à estabilidade dos "27" após o abandono do Reino Unido.