EFESanta Cruz de La Palma

Meia centena de casas dos municípios de Llanos de Aridanne e Tazacorte, da ilha espanhola de La Palma, foram evacuadas nas últimas horas devido ao avanço da lava, que já devastou mais de 860 hectares.

Até ao momento foram evacuadas mais de 7.000 pessoas da área afetada pela erupção, às quais se juntam agora os habitantes dos bairros que estão no caminho do fluxo de lava que está prestes a atingir o mar ao norte do delta lávico.

O presidente do arquipélago das Canárias, Ángel Víctor Torres, já garantiu esta quarta-feira que o seu Executivo e as restantes administrações farão "o que for humanamente possível, quase o impossível", para atenuar os estragos causados ​​pela erupção.

"Não podemos lutar para evitar que a lava chegue onde vai chegar", disse. "Não temos nenhum mecanismo para que isso mude. Estamos à mercê do vulcão", reconheceu Torres.

Desde a sua erupção a 19 de setembro, a lava do Cumbre Vieja devastou um total de 866,1 hectares e destruiu 2.185 edifícios, ameaçando agora outros 76, de acordo com uma medição feita na última meia-noite com o sistema de satélites Copérnico.

Relativamente à qualidade do ar, a alteração das condições atmosféricas ajuda a que o nível de partículas em suspensão não seja preocupante, ao contrário dos dias anteriores, pelo que as estimativas apontam geralmente para uma qualidade do ar "moderadamente boa".

Outro elemento a destacar é a leve recuperação da atividade sísmica na ilha, onde foram registados 38 terramotos desde a passada meia-noite, segundo informações do Instituto Geográfico Nacional (IGN).

O de maior magnitude, 4,3 e de intensidade IV, ocorreu em Villa de Mazo, a 37 quilómetros de profundidade, e foi sentido pela população.

Especialistas do Plano de Emergência Vulcânica das Ilhas Canárias (Pevolca) alertaram ontem para a possibilidade de terramotos desta intensidade a partir desta semana, e na semana passada foram sentidos alguns de 4,8, até agora os maiores desde o início da erupção.