EFEMadrid

A região de Madrid endurece a partir desta quinta-feira as medidas para conter o aumento de novos contágios de coronavírus, como o uso obrigatório de máscara em qualquer circunstância em todos os lugares públicos, e o limite máximo de dez pessoas em grupo e restauração e estabelecimentos de ócio.

Os pequenos focos de transmissão aumentaram em toda a Espanha de maneira desigual desde o levantamento do estado de alarme, no passado dia 21 de junho, quando terminou o confinamento e as severas restrições de mobilidade e se intensificou a atividade comercial e as relações sociais.

O Governo espanhol notificou esta quarta-feira 1.153 contágios de coronavírus nas 24 horas anteriores, a primeira vez que se passou mais de mil casos num só dia desde maio.

A maioria dos novos positivos concentra-se nas regiões limítrofes de Aragão (424) e Catalunha (211), as mais afetadas pelos surtos, assim como em Madrid (199), onde a incidência triplicou em dois dias. A região de Madrid comunicou mais dois surtos na quarta-feira, até 13.

Esta região de 6,7 milhões de habitantes é a mais afetada em Espanha (47,3 milhões) desde o começo da epidemia, com 8,452 dos 28,441 mortos causados pela doença, de acordo com dados oficiais.

Para conter os surtos, as autoridades regionais aplicam restrições e recomendam evitar grandes concentrações de pessoas, como por exemplo em reuniões familiares e atividades noturnas, duas das maiores fontes de contágio.

À exceção das Canárias, onde as máscaras ainda não são obrigatórias, Madrid é a última região a impor a partir de hoje a sua utilização em todos os locais públicos desde os 6 anos de idade.

A incidência acumulada de casos registou "um aumento significativo", o que requer "medidas de prevenção reforçadas" e fomentar um comportamento responsável da população, argumentaram as autoridades sanitárias de Madrid.

Os estabelecimentos hoteleiros e de restauração e locais de vida noturna (bares, discotecas) devem fechar o mais tardar à 1.30 da manhã.

Os salões de banquetes e discotecas devem manter um registo voluntário da data e dos dados de contacto dos clientes, a fim de os localizar se for detetado algum caso.