EFEHong Kong

Centenas de milhares de pessoas saíram hoje às ruas em Hong Kong para pedir a retirada completa do projeto de lei de extradição e a renúncia da chefe de Governo, Carrie Lam, segundo pôde constatar a Agência Efe.

Os manifestantes, a grande maioria vestidos de preto pelo que consideram a "perda da democracia" em Hong Kong, reivindicam também que Lam, que só suspendeu o projeto temporariamente, condene o uso a excessivo da força policial durante os protestos de quarta-feira passada.

A manifestação, que saiu do parque da Vitória e se dirige à sede do Legislativo, guardou um minuto de silêncio por causa da morte de um jovem que ontem à noite caiu de um andaime quando tentava colocar um cartaz de protesto, pelo que muitos usam hoje laços e flores em sinal de luto.

No protesto, de caráter pacífico e no qual participam jovens mas também famílias e crianças, podem ser vistos cartazes com frases como "Parem a violência, não somos arruaceiros" e "Não à brutalidade policial", além de reivindicações para que todas as acusações contra os detidos nas mobilizações sejam retiradas.