EFELisboa

Otelo Saraiva de Carvalho, um dos mais emblemáticos capitães militares da Revolução dos Cravos ao desenhar o plano para acabar com a ditadura do Estado Novo, morreu este domingo em Lisboa, aos 84 anos.

Saraiva de Carvalho, que faleceu de madrugada no Hospital Militar de Lisboa onde estava internado há quinze dias, segundo a imprensa local, que não especificou a causa da sua morte, ficou para a história como o autor do plano de operações militares que acabou com a ditadura do Estado Novo no 25 de Abril de 1974.

Nascido em 1936 em Lourenço Marques, hoje Maputo, capital da então colónia portuguesa Moçambique, passou grande parte da sua infância e juventude em África, onde foi um dos responsáveis pela inteligência militar em Angola.

Em 1973 foi enviado para Lisboa, o que marcaria o seu papel na revolução.

A sua casa na capital tornou-se centro de reuniões e encontros que forjaram o golpe e foi eleito chefe do Comité Executivo do Movimento das Forças Armadas, organização militar que acabou com a ditadura.

Foi Saraiva de Carvalho quem desenhou e dirigiu as operações militares que cercaram o Largo do Carmo, onde estava o primeiro-ministro Marcello Caetano (herdeiro de António de Oliveira Salazar) e cuja rendição ditou o sucesso da revolta.