EFELisboa

A partir de 1 de dezembro, Portugal vai retomar o "estado de calamidade" com um pacote de restrições para travar a expansão da pandemia que incluem teletrabalho e testes negativos para entrar no país.

Além disso, o certificado digital será obrigatório para aceder a restaurantes ou alojamentos turísticos, e para entrar em discotecas e bares será necessário este juntamente com um teste negativo.

As medidas mais restritivas chegam depois das férias de natal, entre 2 e 9 de janeiro, justamente antes do começo da campanha para as eleições gerais de 30 de janeiro.

Só estão isentos de apresentar certificados e teste negativos os menores de 12 anos.

Paralelamente, o país, com mais de 86% da sua população vacinada, acelera a terceira dose entre os grupos de risco e estuda avançar com as vacinas para as crianças.

O que muda em Portugal a partir de 1 de dezembro?

ESTADO DE CALAMIDADE

A partir de 1 de dezembro, Portugal vai entrar em fase de estado de calamidade (abaixo do nível mais alto, estado de emergência).

O Governo recomenda aos mais de dez milhões de habitantes a fazerem testes de forma regular e trabalhar desde casa quando for possível.

Também será obrigatório o uso de máscara nos espaços fechados.

DESPORTO, CULTURA E LAZER

Para aceder a restaurantes, alojamentos turísticos e ginásios será obrigatório mostrar o certificado digital de vacinação.

A lotação não será limitada em grandes eventos fechados sem lugares marcados nem em eventos desportivos, mas será exigido não só um certificado como também um teste negativo feito no máximo 72 horas antes.

Em cinemas e teatros, basta o certificado de vacinação e máscara caso os lugares sejam marcados. Caso contrário, será exigido teste.

Também será necessário certificado e teste negativo no interior de bares e discotecas. O lazer noturno é o mais castigado com as restrições porque, entre 2 e o 9 de janeiro, terá que fechar portas.

O teste negativo será obrigatório nas visitas a lares e hospitais.

REFORÇO DE CONTROLOS EM AEROPORTOS

Para entrar em Portugal, por via aérea, marítima ou terrestre será necessário o certificado de vacinação e um teste negativo (PCR ou antigénio de farmácia, os autotestes estão excluídos) realizados no máximo com 72 horas de antecedência.

Portugal vai reforçar os controlos nos seus aeroportos e exigirá que os passageiros apresentem o teste negativo antes de embarcarem em voos com destino ao país.

O Governo anunciou sanções de até 20.000 euros para as companhias aéreas que não cumpram o regulamento e não exijam os testes aos seus passageiros.

No caso dos cruzeiros, os turistas que cheguem a Portugal também têm de mostrar um teste negativo.

FRONTEIRA COM ESPANHA

A fronteira terrestre entre Espanha e Portugal vai continuar aberta e com livre circulação, embora os agentes portugueses possam realizar controlos aleatórios e solicitar o certificado de vacinação e o teste negativo a qualquer momento.

SEMANA DE "CONTENÇÃO", DE 2 A 9 DE JANEIRO

Depois das férias natalícias, as restrições endurecem-se durante a que o Governo descreveu como "semana de contenção".

Entre 2 e 9 de janeiro, justamente antes do início da campanha para as eleições gerais convocadas para o dia 30 de janeiro, o Governo recomenda reduzir os contactos sociais, recupera o teletrabalho obrigatório e adia uma semana o início das aulas nas escolas.

Além disso, bares e discotecas vão continuar fechados.